terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Combatendo o bom combate

Timóteo recebeu três palavras de instrução: foge - segue e combate. 2 Tim 2:22 e 4:7 Isso também cabe a nós nesse campo de guerra em que atuamos. Há momentos que a vitória está no fugir, na espera, na análise. Nenhum soldado gosta da palavra retirada, mas as vezes é na retirada que se ganha a luta. Seguir para o alvo é prioridade, porém as fugas esporádicas, paradas, revisões, momento para se afiar o machado, são elementos indispensáveis. O mais importante na vida é perceber que estamos indo na direção certa, apesar da estrada nem sempre ser reta e plana, estamos combatendo o bom combate. Não basta combater, é preciso saber que tipo de combate estamos fazendo, senão as atitudes de Don Quixote serão as nossas (Dom Quixote de La Mancha, atacava moinho de vento achando que era demônios). Paulo fez o bom combate, correu, como bom atleta e levou o prêmio- 1 Cor 9:24. Há combates desnecessários, pois quando se devia ter fugido, pensado, passado como tolo, se humilhado, deixado Deus agir, o combatente ficou insistindo do seu jeito e se deu mal. É preciso fazer as devidas leituras das necessidades e situações no seu devido tempo, senão vai se usar canhão para matar formiga e estilingue para tentar derrubar dinossauro. Combater o bom combate, leva qualquer um a ir até o fim, encerrando a carreira e guardando o mais importante, a fé, isto é: a fidelidade naquele que nos chamou para seu exército.